Uma constatação: mais cedo ou mais tarde todos desenvolverão catarata.  A catarata é a turvação do cristalino, a lente natural do olho, e a sensação é de como se você estivesse olhando por um vidro opaco. É a causa mais comum de perda de visão em pessoas com mais de 40 anos e também de cegueira no mundo.

O motivo mais frequente de catarata ocular é o processo natural de envelhecimento. Isso porque a célula que origina o cristalino do olho é a mesma que forma os fios de cabelo e a pele, que vão envelhecendo ao longo do tempo; e com o olho não é diferente.  Com o avançar da idade, se cria uma opacidade na visão, um sinal de catarata.

A partir dos 40 anos, a visita ao oftalmologista já deve ser frequente. O primeiro sinal pode ser a presbiopia, a popular ‘vista cansada’, mas existem vários casos diferentes de catarata. A evolução da doença costuma ser lenta e pode afetar primeiro um dos olhos e só mais tarde o outro.  Entre os fatores de risco estão doenças infecciosas nos olhos, diabates, tabagismo, exposição exagerada e sem proteção à luz solar, uso prolongado de colírios à base de corticóides e trauma na região dos olhos.

O diagnóstico de catarata é feito pelo oftalmologista através de um exame minucioso, onde ele verificará se o cristalino possui alguma lesão (a pupila torna-se branca). O único tratamento para catarata é o cirúrgico. O objetivo da cirurgia – simples, rápida e feita sob anestesia local – é substituir o cristalino danificado por uma lente artificial que recupera a função perdida. Essa lente pode ser de vários tipos e corrigir vários problemas de visão. É possível implantar lentes especiais que permitem eliminar os óculos para longe e, em alguns casos, os óculos para perto.